O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. Recreio (21) 2420-5032 / 2437-6800 / 3546-5198    Copacabana (21) 2548-6104

LER - DORT

1 - O que é LER ou DORT?

LER ou DORT não é nome de uma doença. LER ou DORT é o termo usado para agrupar uma série de doenças relacionadas ao trabalho ou esforço repetitivo.
Cada tipo de LER tem um tratamento específico. Por isso, não podemos aceitar um diagnóstico de “LER” ou “tendinite”.
É necessário o diagnóstico correto para que o tratamento adequado seja aplicado e resolutivo.

2 - Quais fatores contribuem para que uma pessoa tenha LER?

Alterações anatômicas, falta de alongamento, má postura, longas jornadas de trabalho sem pausas, esforços repetitivos, móveis ou equipamentos de trabalho mal posicionados, depressão, falta de informações, falta de preparo físico e stress emocional.

3 - Quais são os tipos de LER / DORT?

Os tipos mais freqüentes são:

- síndrome mio-fascial (fibromialgia);
- síndrome do impacto;
- epicondilites do cotovelo;
- tendinites do punho;
- síndromes compressivas de nervos periféricos.

4 - O que é síndrome mio-fascial ou fibromialgia?

É uma doença caracterizada por causar dores musculares, cansaço e indisposição. A dor é o principal sintoma e pode afetar vários grupos musculares.
Outros sintomas são: cansaço, falta de energia para realizar exercícios, dificuldade para dormir, ansiedade, stress, irritação e depressão.



5 - Como diagnosticar a Síndrome mio-fascial? Como tratar?

O diagnóstico é feito através da conversa e exame físico com o Especialista.
Não existem exames específicos laboratoriais ou radiológicos. Convém realizar alguns exames para excluir outros diagnósticos.
O tratamento envolve vários ítens: medicamentos para diminuir a dor e melhorar o sono, atividade física (caminhada, piscina, esportes), massagem relaxante, atividades de lazer para relaxar e diminuir a tensão e, fisioterapia.

6 - O que é tendinite? Como se faz o diagnóstico? Como se trata?

Tendinite é o nome dado à inflamação que ocorre nos tendões. As tendinites podem afetar o punho, cotovelo e ombro.
“Tendinite” (sem especificar os tendões afetados) não é nome de doença. O termo “tendinite” sempre deve vir acompanhado do nome dos tendões afetados. O diagnóstico é feito através da conversa e exame físico com Especialista.
Não existem exames específicos laboratoriais ou radiológicos. Convém, em alguns casos, realizar exames para excluir outros diagnósticos. O tratamento envolve uso de medicamentos, fisioterapia, mudanças de hábitos e postura, reeducação trabalhista e uso de imobilizações.
Raros casos necessitam de cirurgia.

7 - O que é epicondilite? Como se faz o diagnóstico? Como se trata?

Epicondilite é o nome dado à tendinite que afeta o cotovelo.
Pode afetar o lado de fora ( epicondilite lateral ) ou de dentro ( epicondilite medial ). A forma mais freqüente é a lateral, também chamada de cotovelo de tenista . São formas freqüentes de tendinite. O principal sintoma é a dor que piora com o uso da mão, punho e cotovelo. O diagnóstico é feito através da conversa e exame físico com Especialista. Não existem exames específicos laboratoriais ou radiológicos. Convém, em alguns casos, realizar exames para excluir outros diagnósticos.
O tratamento é similar ao das tendinites.



8 - O que são as síndromes compressivas de nervos periféricos?

Síndrome compressiva é o nome dado a doença caracterizada pelo “esmagamento” de um nervo por uma proeminência óssea, por um músculo ou tendão.
Não existe uma única síndrome compressiva. Há vários nervos que podem ser afetados e, cada um deles pode ser afetado em diferentes locais. Dessa forma, existem várias síndromes compressivas com diferentes sintomas e diferentes tratamentos.

9 - Quais são os sintomas mais frequentes das síndromes compressivas? Como se faz o diagnóstico?

O principal sintoma é a dor. O local da dor varia para cada tipo de síndrome compressiva.
Outros sintomas são: dormência (formigamento), fraqueza, perda de força, deixar cair objetos da mão, sensação de choque e atrofia muscular.
Geralmente, os sintomas pioram à noite. O diagnóstico é feito pela conversa e exame físico com Especialista. Para confirmar é realizado um exame chamado eletroneuromiografia. Porém, em algumas síndromes compressivas este exame pode não mostrar a compressão (dar normal).

10 - Qual o tratamento para as síndromes compressivas?

Na maioria dos casos, o tratamento inicial é com medicamentos e fisioterapia.
Quando estes não eliminam os sintomas, tem indicação o tratamento cirúrgico. A cirurgia varia para cada tipo de síndrome.
Não raramente, o paciente pode ter mais de um tipo de síndrome compressiva ou até, outra forma de LER.

11 - LER é incurável?

NÃO! Porém, em alguns casos, o tratamento pode ser complexo e prolongado, envolvendo medicamentos, fisioterapia, atividade física, alongamentos, reeducação nas atividades trabalhistas e, ás vezes, até mudança de setor de atividade profissional.
Em outros casos, a limitação de um melhor resultado pode ser a associação de mais de um tipo de LER.
É ESSENCIAL A PARCIPAÇÃO E DISPOSIÇÃO DO PACIENTE E EMPREGADOR PARA A CURA DA LER/ DORT.

 

Subir